SEÇÃO Estudos Bíblicos
CATEGORIA Discipulado    -
     Quarta, 16 de Abril de 2014

Estudos Bíblicos      Discipulado       -

ESCOLA BÍBLICA - REVISTA E ATUALIZADA

Publicado em 12/6/2002

Olga Maria R. N. Sant'Anna

Pontualmente, no mesmo local, um grupo se reunia para estudar a Bíblia, apesar de estar limitado pelo cabresto dogmático que impôs a si mesmo com o passar dos anos. Mas, a presença de um visitante inesperado trouxe grande surpresa e inquietação. Em seu discurso, o visitante apresentou uma interpretação nova e inconcebível aos seus ouvintes. Diante da argumentação contundente, e sem meios de respondê-la, não houve outra posição a tomar, aa não ser a rejeição total acompanhada de perseguição.

Um segundo grupo recebeu o mesmo visitante, mas ao ouvir coisas tão conflitantes com o que acreditava até aquele momento, se dedicou a pesquisar e verificar a fundamentação bíblica dos argumentos apresentados. Ao findar a pesquisa, o grupo aceitou as afirmações do visitante.

Talvez pudéssemos registrar dessa forma as reações antagônicas dos judeus tessalonissenses e bereanos diante da releitura que Paulo fez do Antigo Testamento para apresentar Jesus como o Cristo, há muito esperado por eles. Exaltamos a atitude dos bereanos porque tomaram a decisão acertada, mas negligenciamos o processo em que isto aconteceu. Infelizmente não estamos oferecendo aos crentes de hoje os subsídios necessários para o mesmo aprofundamento na Palavra. Não oferecemos os instrumentos para que o crente tome decisões acertadas pautado na Palavra de Deus. Cabe a pergunta: Que tipo de ensino bíblico temos oferecido? Por que os membros de nossas igrejas não estão preparados para discernir as muitas doutrinas que chegam até eles? Podemos pensar em algumas possíveis respostas.

Supervalorização do Professor

Tem-se adotado um modelo tradicional de ensino colocando o professor no centro do processo ensino-aprendizagem.Aliás, o pensamento ainda dominante é: o professor ensina - o aluno aprende. Por isso direcionou-se todo o esforço pedagógico para transmitir conteúdo ao professor, que por sua vez deve transmití-lo ao aluno. Paulo Freire denomina este processo de "Educação Bancária", pois se faz o depósito de conhecimento no outro. É interessante verificar este processo na descrição do papel do professor de adultos como intérprete da Palavra na visão de Norvel Welch:

· O professor da Escola Bíblica Dominical é um intéprete da Bíblia. Ele foi nomeado para este fim. Ele fica ao lado do seu aluno para dar as melhores explicações possíveis, para esclarecer palavras e frases difíceis, para desaconselhar conclusões precipitadas e para evitar interpretações espúrias, forçadas ou prejudiciais.

Afirmar que algumas pessoas podem interpretar a Bíblia e outras não, é voltar a Idade Média. As Sagradas Escrituras eram objeto de posse da Igreja e somente nela, por intermédio do clero, é que o povo podia ouvir seus ensinamentos. É bom lembrar que os batistas, assim com fez Lutero, defem o livre exame das Escrituras.

Uma visão mais interativa do papel do professor , podemos encontrar em Lucien E. Coleman Jr. Para ele a função do professor é facilitar a aprendizagem, criar condições favoráveis para que ela aconteça. Além de interpretar a Bíblia, o professor tem a difícil tarefa de ajudar os alunos a interpretá-la.

· O que é mais fácil: ajudar alguém a compor sua própria interpretação da Bíblia ou simplesmente contar-lhe a sua? O que exige mais capacidade: "expor o assunto" de uma maneira pré-fabricada ou orientar os alunos à medida que eles descobrem a verdade por conta própria?

Mas, no dia-a-dia da Escola Bíblica em muitas regiões do Brasil, infelizmente, nem professor, nem aluno interpretam a Bíblia. Ambos reproduzem a interpretação feita pelo autor da revista utilizada, com total ausência de senso crítico.

Ensino Bíblico Para Reprodução

O resultado disto, depois de anos, é um ensino bíblico com ênfase na reprodução. produzindo alunos passivos e dependentes, que não sabem "responder a razão de sua fé". Eles somente repetem o que seu professor ou pastor lhe transmitiu. Estão prontos para reproduzir os argumentos daqueles que mais o impressionaram, mesmo que sejam líderes de doutrinas divergentes. Quando os questionamentos externos, fogem dos parêmetros da revista, nossos alunos não sabem reagir.

Podemos imaginar que os tessalonicenses visitados por Paulo na sinagoga podiam reproduzir somente os ensinamentos de seus mestres. Não estavam preparados para uma confrontação com um ensinamento diferente. Sem conhecer e utilizar os princípios de interpretação bílbica, sem desenvolver o hábito de pesquisar em outras fontes além da revista, do professor ou do pastor, nosso povo está despreparado para enfrentar o misticismo deste final de século.

No entanto, segundo o autor do livro Programa de Educação Religiosa, "o objetivo da educação religiosa é a formação de uma consciência que oriente a conduta do cristão à luz da Palavra de Deus ..." A formação da consciência crítica para tomada de decisões acertadas, principalmente aquilo em que devemos crêr, vai acontecer mediante problematização, debate, reflexão. Precisamos criar um clima favorável a questionamentos por parte dos alunos, mas precisamos oferecer-lhes condições de usarem os princípios hermenêuticos em sua confrontação com a Bíblia . É indispensável conhecer os instrumentos básicos para interpretar a Bíblia e achar as possíveis respostas para os questionamentos feitos ou novas idéias que aparecem constantemente.

Separação entre Bíblia e Realidade

Por mais importante que a Bíblia seja para nós, não podemos ensiná-la fazendo um corte com a vida, com a realidade do aluno. Mais importante que o saber cognitivo da Bíblia, mais importante do que a memorização de capítulos inteiros, é entendermos a sua mensagem ontem e hoje. O que Deus está nos dizendo através de Sua Palavra? Informações sobre os fatos históricos são importantes para entendermos o contexto, mas se pararmos tão somente neste estágio, a Palavra não cumprirá o seu objetivo: conhecermos a vontade de Deus.

Outro aspecto a considerar é que a Palavra de Deus ensina a cada um de nós a lição que precisamos. Deus sabe exatamente aquilo que precisamos mudar em nossas vidas e nós também sabemos. Num processo de ensino-aprendizagem é o aluno quem deve descobrir como aplicar o texto bíblico estudado em sua vida. Normalmente, numa visão paternalista de ensino, o professor é quem dá a aplicação do texto pronta para o aluno no final da aula.

Estrutura Enferrujada

Uma estrutura educacional existe para facilitar o processo de ensino-aprendizagem. Porém na Escola Bíblica muitas vezes acontece o contrário: professor e aluno são oprimidos pela estrutura. Por isto optamos por analisar a estrutura com os olhos do professor e do aluno. Talvez possamos encontrar respostas para perguntas como: Por que é constante a busca por professores? Por que é baixa a freqüência e reduzido o número de matriculados?

O Professor

São muitas as exigências para o professor da EBD. Além de ensinar a Palavra, segundo Norvel Welch ele também deve ser exemplo em sua vida cristã; evangelizar colocando Cristo como Salvador em qualquer lição que ensinar; ser o líder da classe na visitação dos doentes e faltosos e ainda ser o amigo e conselheiro de todos os alunos. Quase que estamos descrevendo um super-crente. A realidade é outra. A vida do professor é agitada durante toda semana. Seu tempo tem que ser dividido com família, trabalho e muitas vezes estudo. É hora de perguntarmos que apoio o professor tem recebido para realizar seu trabalho? Se entendemos que ele é importante no processo, então temos que ajudá-lo. Abaixo você pode encontrar algumas sugestões.


















Fatores
Motivadores

Fatores
Desmotivadores





  • Ao
    ser convidado, receber suas tarefas por escrito.



  • Participar
    do processo de escolha do currículo.



  • Escolher
    o conteúdo que gostaria de ensinar e se aprofundar.



  • Receber
    orientação pedagógica direcionada às suas dificuldades no ensino.





  • O
    dever de dominar a cada trimestre todo o conteúdo da revista, sem
    ter chance de se aprofundar em um livro ou período histórico da
    Bíblia.

  • Receber
    a revista com poucos dias de antecedência para se preparar.

  • Participar
    de Estudo Prévios cansativos, que tentam explorar todo o conteúdo
    do trimestre em poucas horas.





  • Receber
    xerox de capítulos de comentários ou dicionários que auxiliarão
    em sua pesquisa referente as lições que serão estudadas.

  • Receber
    um cartão ou uma visita no dia do seu aniverário.


A
ausência de espaço adequado e recursos didáticos.




  • Ser
    avaliado a cada trimestre pelos alunos e pela Escola, de forma que
    possa identificar os aspectos que demonstram seu progresso e/ou
    dificuldades.

  • Utilizar
    diferentes tipos de avaliação para identificar o desenvolvimento
    ou não da classe a cada trimestre.

  • Ter
    oportunidades para compartilhar vitórias e dificuldades com outros
    colegas em encontros informais, que favoreçam momentos devocionais
    e de lazer.

  • Receber
    da secretaria um relatório que demonstre a frequência da classe
    com nomes e endereços de alunos faltosos, assíduos e visitantes.




  • A
    carência de apoio pedagógico e bíblico teológico.

  • Ter
    suas aulas interrompidas com freqüentes avisos.

  • Não
    ter o mínimo de uma hora para desenvolver a aula.

  • Trabalhar
    todos os domingos do ano sem direito a férias.

  • Nunca
    receber uma palavra de incentivo e reconhecimento do seu trabalho.




O aluno

Para começar, a EBD é uma escola muito fácil de entrar e difícil de sair. O processo de matrícula acaba por baratear o ensino. Segundo o Manual da EBD, a pessoa pode se matricular em qualquer domingo do ano, depois de uma ou mais visitas a uma classe. Somente em caso de morte, transferência para outra igreja ou mudança de residência para outra cidade é que se admite que um nome seja retirado dos registros da secretaria.

Que esforço a pessoa deveria fazer se ele é um aluno permanente numa escola? Que motivação teria para ser assíduo se sabe que deve fazê-lo por toda a sua vida e não por um período? Na minha opinião, seria mais atraente oferecermos ao aluno propostas de cursos, com currículo e carga horária definida, em que ele percebesse o seu desenvolvimento ao vencer etapas. Atualmente, o aluno passa para uma outra etapa automaticamente quando vence o estágio de desenvolvimento físico e mental de sua faixa-etária. Mas, existem outros fatores desmotivadores e motivadores.











Fatores
Motivadores


Fatores
Desmotivadores



  • Pertencer
    a um grupo de estudo de seu interesse ou de sua faixa-etária.

  • A
    cada trimestre ter mais de uma opção de estudo e matricular-se para
    tal.

  • Estar
    aprendendo mais sobre Deus e como interpretar e aplicar a Sua Palavra.

  • Perceber
    que a cada etapa, o estudo apresenta um grau maior de dificuldade.

  • Fazer
    descobertas durante o estudo.

  • Usar
    diferentes materiais de apoio para pesquisa.

  • Participar
    de atividades extra-classe que sejam complementação do estudo bíblico.

  • Receber
    apoio da classe para superar dificuldades pessoais.

  • Compartilhar
    com a classe seus pedidos de oração.

  • Ser
    avaliado em seu desenvolvimento no conhecimento bíblico por professor
    e colegas e por ele mesmo.

  • Fazer
    a cada domingo, a aplicação do texto bíblico com sua vida.

  • Periodicamente,
    fazer uma auto-avaliação.

  • Ter
    mais opções de dias e horários para o estudo bíblico.


  • Ouvir
    a exposição da lição por parte do professor .

  • Estudar
    um conteúdo que não escolheu.

  • Estudar
    o mesmo assunto diversas vezes e com abordagem semelhantes.

  • Ser
    esquecido no dia do seu aniversário.

  • Ter
    o estudo interrompido por constante faltas do professor.

  • Usar
    uma literatura de apoio pouco atraente.

  • Ter
    o seu tempo de estudo reduzido por avisos e abertura do departamento
    a que pertence.

  • Passar
    um trimestre após o outro, sem nunca identificar o seu crescimento
    ou não depois do estudo.

  • Ouvir
    do professor a aplicação do texto bíblico.

  • Nunca
    ser ouvido pelo professor, diretor da EBD e demais líderes, sobre
    como vê a estrutura adotada, o nível de ensino, etc.

  • Nunca
    receber uma palavra de incentivo por sua frequência e assiduidade.

  • Apesar
    de seu esforço no estudo da lição, não lhe é dada a oportunidade de
    ter a experiência de conduzir processo ensino-aprendizagem.

  • Ter
    dois professores que se revezam a cada domingo. Apesar do assunto
    ser o mesmo, o processo é interrompido, poi cada professor tem o seu
    estilo.



PASSOS PARA REVISÃO E CORREÇÃO

1. Avaliar: reunir a liderança da EBD para avaliar o momento atual e identificar o pontos fortes e fracos.

a. Entrevistar o pastor para identificar sua visão sobre EBD.
b. Desenvolver um formulário de pesquisa onde professor e aluno podem expressar suas opiniões sobre a administração da EBD, sua estrutura (horário, salas, abertura e encerramento, divisão em departamentos e classes por faixa-etária, etc), literatura, e também colher sugestões.
c. Com cuidado e sensibilidade, desenvolver um formulário para que o aluno avalie o trabalho do professor ao final do trimestre.
d. O aluno também deve ser avaliado pelo professor para verificar a aprendizagem do mês ou trimestre. (Deve-se evitar perguntas objetivas que provocam respostas que foram memorizadas.)
e.Incentivar a auto avaliação do aluno e do professor.

2. Planejar: Reunir o Conselho da EBD para que a partir das informações coletadas, identificar as necessidades, redefinir a estrutura a ser utilizada, estabelecer alvos, definir estratégias e o cronograma de execução. Se for necessário nomear uma comissão para estudar e sugerir o currículo, mas que seja receptiva a coletar sugestões de professores e alunos. O currículo deve ser flexível e com alternativas para alunos e professores.

3.Orientar: Cada pessoa que atua na EBD(diretor, professor, secretários, líderes de integração) precisa estar segura sobre as tarefas que terá que realizar. Muitas vezes é mais produtivo orientar individualmente e acompanhá-las em suas dificuldades.

a. Dar tarefas por escrito
b. Solicitar leituras de apoio, se necessário,
c. Ajudar na execução de tarefas de maior dificuldade,
d. Agendar datas para apresentação de tarefas
e. Elogiar o cumprimento das tarefas

Para a prover a formação de professores, algumas igrejas utilizagem a Classe de Professores Permanente, algumas vezes antes do horário da EBD, outras vezes por revezamento de professor titular e auxiliar durante o horário da EBD. Depois de algum tempo esse sistema se torna cansativo e ineficaz. Quero sugerir a promoção de um curso para professores com um currículo elaborado a partir das necessidades identificadas na avaliação ou individualmente. O importante é que o curso tenha uma duração definida e não muito extensa (três meses), que tenha o assunto bem delimitado, que seja em horário adequado para a maioria dos professores. Ao final, o professor deve receber um certificado num momento especial, diante de toda igreja.

4.Promover:

a.Carta aos faltosos e membros da igreja que não são alunos, convidando para novos cursos, classes ou projetos que foram planejados.
b. Cartazes, faixas, mural da EBD, boletim da EBD, etc.
c. Anúnicios em rádio
d. Promoção de eventos: Congresso da EBD, culto sob a direção da EBD com ênfase no Estudo Bíblico; Dia da Bíblia, Acampamentos, etc.

5. AVALIAR:

Não haveria razão de escrever este artigo, caso os educadores e pastores, tivessem o hábito de avaliar permanentemente. Por melhor que seja o projeto a ser experimentado, deve ser avaliado.Alguns poucos educadores já descobriram esse caminho e estão promovendo mudanças significativas em seu sistema de ensino bíblico.

Vivemos um momento de transição muito importante. Queremos romper que a Escola Bíblica Tradicional, mas ainda não encontramos soluções para todos os problemas. Uma coisa é certa: não existe uma proposta modelo de EBD que atenda a todas as igrejas. Mais interessante do que isso, seria a existência de vários modelos de EBD, que nos servissem de motivação para elaborarmos uma proposta adequada para nossa realidade. Estamos nesta direção!



RECOMENDAR >> IMPRIMIR >>
10 MAIS RECENTES
Unidade da Igreja de Cristo
Não quero mais ser evangélico
Signos. Porquê?
Mas que Homem é Esse?
Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal
A Integridade Moral do Profeta Eliseu
Contentamento & Transformação
O Brasil precisa de pastores de caráter limpo
PASTORES FIÉIS
Controle da natalidade no mundo ocidental ajudando no crescimento explosivo do islamismo
MAIS >>>

NOTÍCIAS CRISTÃS
Aprovação do PLC 122 será o último ato do governo Lula?
O escândalo homossexual de WikiLeaks
Assassinatos contra gays: dados manipulados
Professor francês é suspenso por mostrar vídeo de abortos para alunos do ensino colegial
Famosa feminista pró-aborto chama bebês em gestação de “tumores”
Desafiando comunistas no púlpito da igreja
Possessão demoníaca agora é politicamente correta
MAIS >>>

ESTUDOS BÍBLICOS
Unidade da Igreja de Cristo
Não quero mais ser evangélico
Signos. Porquê?
Mas que Homem é Esse?
A Integridade Moral do Profeta Eliseu
Contentamento & Transformação
O Brasil precisa de pastores de caráter limpo
PASTORES FIÉIS
Os modernos adoradores de Baal
Os Benefícios de Ter Filhos
MAIS >>>