SEÇÃO Estudos de Seitas
CATEGORIA Apologética    Mormonismo
     Quinta, 2 de Outubro de 2014

Estudos de Seitas      Apologética       Mormonismo

Pelos corredores do Templo Mórmon

Publicado em 9/9/2008

Eguinaldo Hélio de Souza
www.ocp.com.br

Suntuoso. Talvez seja esta a melhor maneira de descrever o Templo Mórmon localizado em São Paulo, aberto ao público de 17 de janeiro a 14 de fevereiro. Milhares de pessoas visitaram diariamente o edifício, cuja construção durou de 1976 a 1978. Devido à necessidade, uma reforma foi empreendida, quando carpetes, móveis e decorações foram trocados. A estátua do suposto anjo Moroni, com sua trombeta, não foi esquecida. Agora, foi colocada sobre o mastro do Templo, reaberto ao público justamente por isso. Segundo um dos líderes, trata-se de “uma cortesia” de seu profeta-presidente, Gordon Hanckley.

Misturando verdades bíblicas com elementos completamente estranhos ao cristianismo, esta religião congrega hoje no Brasil, segundo o último censo do IBGE, algo em torno de 200 mil adeptos. A seita protesta e afirma que, segundo suas próprias estatísticas, já somam 860 mil, sendo 190 mil só no Estado de São Paulo. No mundo, são cerca de 12 milhões. É um número expressivo. Mas, embora diante de uma população de seis bilhões, signifique apenas 0,2%.

Por seu exotismo, o mormonismo sempre chamou a atenção da imprensa. A exposição do templo foi divulgada pelos meios de comunicação como um programa cultural.

Um dado curioso: dos cerca de 100 templos existentes no mundo, cinco estão no Brasil (um ainda em construção). Seu crescimento aqui não é lá grande coisa, ainda mais se considerarmos que já se passaram 69 anos desde que iniciaram suas reuniões em São Paulo, em 19 de maio de 1935. Denominações evangélicas, com pouco mais de duas décadas, já contam hoje com milhões de membros. O que reforça a máxima que circula no meio evangélico: “O Brasil é do Senhor Jesus”.

Não obstante, o Brasil tem grande importância para a seita. E isso fica mais patente com a visita de seu presidente mundial, Gordon B. Hinckley, considerado pelos mórmons um profeta de Deus (veja a galeria com todos os presidentes). Sua vinda ao Brasil, no mês passado, teve como objetivo principal a consagração do templo reformado e, claro, motivar seus discípulos a uma “evangelização” maciça do dos brasileiros. Como estratégia, realizaram, pela primeira vez na história da seita, uma celebração do porte das que acontecem anualmente nos EUA, particularmente no Estado de Utah, fora da América do Norte.

O evento, que ocorreu no estádio do Pacaembu (SP), contou com diversas atrações. Além da presença de “sua santidade”, o profeta Hinckley, a estrutura gigantesca contou com o apoio de 1500 missionários, um coro com 1200 vozes, 1800 dançarinos, 345 cenários vivos e 5000 coreógrafos. O espetáculo, digno de elogios pela sua organização e ousadia, estrategicamente para conquistar o público brasileiro, incluiu elementos do nosso folclore ao apresentar 184 personagens do Sítio do Pica-Pau-Amarelo.

Os mórmons são muito liberais em relação ao folclore e outras festas seculares.

Glamour, luxo e reverência

Para quem visitou o templo em exposição em São Paulo, é fácil imaginar porque muitos são atraídos ao mormonismo: a beleza, o mistério e o exotismo das cerimônias. Realmente, tudo lá é de uma beleza rara (e cara): jardinagem externa perfeita, carpetes luxuosos personalizados, luminárias e vasos de cristais trabalhados, revestimentos de mármores importados, madeiras nobres artisticamente desenhadas à mão, tecidos e paredes com detalhes incrustados de ouro e prata, enfim...

Então, o visitante pergunta: Como tudo isso pôde ser construído? De onde vieram tantos recursos?

Durante a apresentação, o guia do grupo faz questão de destacar que tudo aquilo foi possível graças à contribuição fiel de dízimos e ofertas dos membros. E, mais uma vez, concluímos o que Jesus disse aos discípulos: “... porque os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz.” (Lc 16.8. V. tb. Ef 5.8). Não que reivindicamos construções dessa magnitude para nossas igrejas, inclusive entendemos que o Senhor não habita em templos feitos por mãos humanas (1Co 2.9) e o que mais importa é a qualidade da mensagem do que microfone e caixas de som.

Nas repartições específicas do grande templo que visitamos, somente os adeptos fiéis podem adentrar, exceto nesses dias que antecedem a consagração. Isto tudo torna o mormonismo atrativo, rendendo-lhe uma aura de sagrado toda especial.

Todo percurso no interior do templo dura em média vinte minutos. Nesse período, o visitante conhece diversas repartições ou salas, cada qual com uma finalidade e envolta em solitude e mistério.

Ambientes requintados e especiais

Dos ambientes apresentados, dois, particularmente, chamam a atenção, pela beleza artística e exotismo, e merecem um destaque da visita que fizemos. O primeiro ambiente, de maior significado para a seita, é a magnífica Sala Celestial, símbolo do céu e da eternidade. Como uma estratégia perfeita de marketing, esse o último local a ser apresentado aos visitantes. Quando todos já estavam boquiabertos, o guia da incursão reuniu nosso grupo e comunicou que o próximo lugar que nos levaria tinha um significado todo especial, e que todos deveriam entrar com o máximo de reverência e em absoluto silêncio. Disse ainda que perguntas e comentários não eram permitidos naquele próximo ambiente e que todos deveriam aproveitar aquela oportunidade única para refletir sobre suas vidas, sobre o futuro e sobre Deus. Que fizessem uma prece silenciosa a Ele.

Com certeza, e percebemos isso claramente, muitos daqueles que entraram conosco estavam comovidos e, certamente, aceitariam visitas futuras dos missionários mórmons. Em outro grande salão lateral, onde foram servidos sucos e lanches, todos poderiam tirar suas dúvidas com os missionários. Impressionante!

O segundo local mais importante do templo é o Batistério, onde o tanque batismal repousa sobre o dorso de doze bois tamanho natural e perfeição anatômica impressionante. Em alguns templos ainda mais luxuosos, como os dos EUA, esses bois são todos de ouro maciço, o que encanta ainda mais o visitante. É nesse local que os mórmons se batizam por seus parentes mortos, tenham sido mórmons ou não (veja comentário teológico mais adiante).

O local, um gigantesco complexo, comporta ainda biblioteca, livraria, dormitório, ginásio poliesportivo, anfiteatro, salões de festas e dezenas de salas de reuniões equipadas com vídeos, retroprojetores e todo tipo de facilidades tecnológicas. Tudo isso contando com extrema receptividade e organização.

O outro lado da história

O mormonismo está ligado à pessoa de Joseph Smith, nascido em 23 de dezembro de 1805, no condado de Windsor, Estado de Vermont, Estados Unidos da América do Norte. Ele foi fundador, profeta e primeiro presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Quando tinha dez anos de idade, a família de Smith se mudou para Palmyra, Nova York. Quatro anos depois, Smith teve sua primeira visão de Deus e de Jesus Cristo, que o instruiu a não se associar a nenhuma igreja existente, denunciando a falsidade de todas elas.

Por volta do ano de 1827, por meio de outra visão, Smith recebeu uma mensagem divina, escrita em placas de ouro, em hieróglifos. Segundo Smith, o “anjo” Moroni lhe apareceu e lhe disse que havia vivido naquela região há uns 1.400 anos. Seguindo o relato, o pai de Moroni, um profeta, tinha gravado a história do seu povo naquelas placas. Quando estavam a ponto de ser exterminados por seus inimigos, Moroni teria enterrado essas placas ao pé de um monte próximo do local onde hoje é Palmyra. Nessa visão, Moroni teria indicado a Smith o lugar em que as placas teriam sido escondidas e lhe deu umas pedras especiais, um certo tipo de lentes, chamadas “Urim” e “Tumim”, com as quais poderia decifrar e traduzir os dizeres das placas.

Smith traduziu e publicou o texto (1830), que recebeu o título O Livro de Mórmon, no qual conta a história religiosa de um povo antigo que viveu no continente norte-americano e que descreve como descendentes dos antigos hebreus.

Em 1830, Smith organizou a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e, imediatamente, começou a enviar missionários para outras localidades. Em virtude da conversão de um número muito grande de pessoas em Ohio, Smith se mudou para lá, e construiu, em Kirtland, um templo.

Mas... isto tudo é cristianismo?

Embora Jesus tenha dito que Ele próprio edificaria sua igreja, e que as portas do inferno prevaleceriam contra ela (Mt 16.18), Joseph Smith fundou esse movimento sobre o pressuposto de que a verdadeira Igreja de Jesus Cristo havia apostatado, abandonado a verdade de Deus. Jesus então o teria enviado para restaurar o cristianismo.

Esta suposta restauração se mostra evidentemente falsa, porque a Igreja resultante dela não se baseia no modelo do Novo Testamento. O princípio da Reforma Protestante, no século XVI, foi comparar o cristianismo da época com o modelo neotestamentário. Em outras palavras, a base da Reforma foi a Palavra de Deus.

Quando, porém, comparamos as doutrinas mórmons com as da Bíblia, é difícil identificar a Igreja dos mórmons como a verdadeira Igreja cristã. Ensinos e práticas estranhos ao evangelho são apregoados por eles. Estão pregando um outro evangelho como se fosse o verdadeiro evangelho. Embora as semelhanças sejam muitas, as diferenças também são. Termos bíblicos não fazem que nenhum conceito ou doutrina seja bíblico, ainda mais se praticado de forma antibíblica.

Doutrinas variadas e estranhas ao evangelho

Bíblia, evangelho, Jesus, anjos, profeta, apóstolo, Deus, Espírito Santo, batismo, dons espirituais, Igreja, volta de Cristo, irmão, irmã, etc, são alguns dos inúmeros termos utilizados pelos mórmons a fim de sejam identificados como cristãos evangélicos. Um leigo nem sempre consegue ver a diferença.

De repente, porém, surgem outros nomes e conceitos que estão muito longe das Escrituras: selamento eterno, batismo vicário pelos mortos, sacerdócio aarônico, sacerdócio de Melquisedeque, garments, etc. Sem falar dos nomes que surgem no Livro de Mórmon e que nada tem a ver com a Bíblia Sagrada: Éter, Nefi, Helamã, Alma, Omni, Jarom, Ênos, etc.

Conhecendo um pouco dessas doutrinas, ficamos chocados com as distorções existentes, e que se classificam facilmente no termo “outro evangelho”, tão condenado pelo apóstolo Paulo (Gl 1.8,9; 2Co 11.4).

Batismo vicário pelos mortos

Ensinam que o batismo é vicário, ou seja, pode ser feito no lugar de uma pessoa (que já morreu) para salvá-la. Este conceito de batismo não procede, de modo algum, das Escrituras. Todas as referências ao batismo bíblico estão ligadas à decisão individual do cristão e, mesmo assim, é uma conseqüência da salvação e não um meio para adquiri-la.

Segundo as Escrituras, a única substituição salvadora foi feita por Jesus (Is 53.4-6; 1Pe 3.18). Salvar alguém pelo batismo equivale a tornar-se um co-salvador, mas Jesus, e Ele somente, é o único Salvador.

As pessoas devem decidir sua condição eterna (salvação ou perdição) enquanto estão neste mundo, não depois. Não há, conforme mostram as Escrituras, como mudarem sua condição diante de Deus após a morte (Lc 16.26).

A única referência bíblica empregada pelos mórmons para justificar esta prática é o texto de 1Coríntios 15.29, que reconhecidamente é de difícil interpretação. Todavia, nele não existe, como costumam escrever, “uma ordenança” de batismo pelos mortos. Há apenas uma referência de Paulo quando fala da ressurreição aos membros da igreja de Coríntios. Não existe outra referência além dessa, seja nos escritos paulinos ou em qualquer outro texto do Novo Testamento. É ilógico desenvolver toda uma doutrina e prática sobre uma passagem única e ambígua.

De qualquer forma, o versículo pode estar se referindo àqueles que se batizam “por causa” dos mortos, ou seja, dos mártires. É sabido que muitos se converteram quando viram a morte honrosa dos cristãos. Paulo, então, estaria argumentando que se esses mortos não ressuscitavam ninguém, de nada valia ser batizado por eles. Essa visão é compartilhada pelos grandes apologistas Norman Geisler e Ron Rhodes. Outro apologista, Gleason Archer, também tem uma interpretação parecida do versículo em pauta. Segundo Archer, o apóstolo Paulo estaria falando de cristãos, não necessariamente de mártires, que, com sua morte, deixaram um testemunho de confiança de que suas vidas estavam salvas em Deus e que, por isso, não temiam a morte. Tal testemunho, apresentado no leito da morte, teria levado os familiares desses cristãos ao batismo.

Vale notar também que o versículo enfocado em momento nenhum diz que os cristãos praticavam algum tipo de batismo em favor dos mortos. Paulo fala em “aqueles que se batizam pelos mortos”. Portanto, segundo esta interpretação, o texto não se referia aos próprios coríntios, mas a algum grupo desconhecido.

Seja como for, todas essas explicações têm muito mais coerência do que a absurda prática mórmon. É impossível sancioná-la com esta passagem das Escrituras: “E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição. Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza” (2Pe 3.15-17).

Outra transgressão bíblica, derivada da doutrina do batismo pelos mortos, é o fato de os mórmons se concentrarem em suas genealogias, algo que o Novo Testamento condena explicitamente: “Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns, que não ensinem outra doutrina, nem se dêem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora” (1Tm 1.3,4).

No mormonismo, as genealogias são vitais e seus adeptos possuem o maior cadastro de genealogias do mundo. Se a Bíblia nos adverte a não nos ocuparmos com isto, como justificar, perante as Escrituras, a preocupação excessiva com árvores genealógicas?

Selamento eterno

É fácil entender o atrativo que a doutrina do selamento eterno exerce sobre as jovens. Casam-se em uma bela cerimônia, em um lugar cercado de esplendor. E com a promessa de um “casamento eterno” e de serem “deusas” na eternidade. É, de fato, um dote tentador.

Mas isso não é bíblico. Não tem nenhum respaldo nas Escrituras. Nada igual jamais se viu no cristianismo histórico. Embora o casamento seja de extrema importância, de acordo com os padrões bíblicos (Ef 5.22,33), ele, porém, não é divinizador. Aliás, temos de dizer aos mórmons o mesmo que Jesus disse aos saduceus: “Vós errais, não conhecendo as Escrituras...” (Mt 22.29). Jesus lhes mostrou que a vida futura é isenta do relacionamento conjugal existente na terra: “Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu” (Mt 22.30).

Também é importante notar que no entendimento bíblico não existe casamento eterno, uma vez que uma mulher se torna livre da lei do marido quando este falece: “Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido” (Rm 7.2).

Dizer que permanecem unidos após isso é negar o que a Bíblia declara.

Outro evangelho

Embora o mormonismo conte sua história como uma restauração ocorrida por meio do encontro de Jesus como o anjo Moroni, e que na época Jesus havia dito a Joseph Smith que todas as Igrejas estavam corrompidas, as coisas,no entanto, não são bem assim. Ao confrontar estas afirmações com as do Novo Testamento, vemos justamente o contrário:

Nos últimos tempos, alguns apostariam da fé, dando ouvidos a doutrinas de demônios e espíritos enganadores (1Tm 4.1). Ora, Joseph Smith viveu no século XIX e deixou o cristianismo por um evangelho que tinha uma doutrina nova, entregue por um suposto anjo. Se houve apostasia foi dele, e seu perfil se encaixa perfeitamente aqui.

Não devemos aceitar outro evangelho, nem de homens, nem de anjos! Isto está bem claro (Gl 1.8,9; 2Co 11.4). Toda argumentação não passa de uma tentativa sofismática de esconder o óbvio – o evangelho de mórmon não veio de Deus. Antes, é uma maldição.

Além disso, anjos não são seres necessariamente bons. Existem anjos sobre o controle de Satanás (Mt 25.41). E estes seres não são facilmente identificáveis. Podem apresentar-se com a mesma aparência que os anjos de Deus (2Co 11.14). E aqui também nos vale uma análise do versículo 15, onde diz que os ministros de Satanás podem ter aparência de justiça. Assim, a moralidade mórmon não torna o anjo Moroni um anjo de Deus.

Novas revelações

Por aceitarem novas revelações, os ensinos mórmons são extremamente mutáveis, ou seja, se alteram constantemente.

Além desse livro, possuem outros tidos como sagrados: Pérolas de grande valor e Doutrinas e convênios. Mas aceitam revelações atuais, vindas de seus profetas e apóstolos. Dessa forma, sua doutrina está em constante mudança. Uma mudança que os marcou bastante foi a questão racial, pois os mórmons não aceitavam negros no sacerdócio, visto a cor da pele ser identificada por eles, no passado, com a marca de Caim. Todavia, por questões sociais, acabaram cedendo, alegando uma “nova revelação de Deus”. Uma atitude conveniente diante das circunstâncias!

Preexistência da alma

O mormonismo afirma: “Aprendemos que a vida aqui na terra é parte de uma jornada eterna iniciada muito antes de nascermos, quando vivíamos com Deus como filhos espirituais. Viemos à terra para ser testados...”.

A Bíblia não ensina que “vivíamos com Deus como filhos espirituais”. Muito pelo contrário. Ela ensina que vivíamos “em nossos delitos e pecados”, e éramos, por natureza, “filhos da ira” (Ef 2.1,3). Nossa condição só foi alterada quando passamos a crer em Cristo, quando então nos tornamos filhos de Deus (Jo 1.12).

Não há qualquer fundamento bíblico para a preexistência da alma. A Bíblia, porém, ensina que quando o homem é concebido, Deus cria o espírito dentro dele: “Peso da palavra do SENHOR sobre Israel: Fala o SENHOR, o que estende o céu, e que funda a terra, e que forma o espírito do homem dentro dele” (Zc 12.1).

Sacerdócio de Melquisedeque e aarônico

Para uma religião que diz ser a restauração do cristianismo, a IJCSUD possui certas instituições estranhas ao Novo Testamento. Os sacerdócios chamados “Melquisedeque” e “aarônico” são estranhos aos escritos neotestamentários e à história da Igreja. Mesmo que o catolicismo tenha modelado sua liderança à semelhança do sacerdócio levítico do Antigo Testamento, jamais se atreveu a atribuir a esse sacerdócio os nomes acima, concedidos pelos mórmons, pois seria uma distorção ainda maior. Estas instituições são infundadas porque:

• Não existem “ordens sacerdotais” na Nova Aliança, uma vez que todos os crentes são chamados a uma vida espiritual diante de Deus (1Pe 2.5,9).
• O sacerdócio aarônico vigorou somente na Antiga Aliança e, devido à sua impotência, foi substituído pelo sacerdócio de Melquisedeque (Hb 7).
• O sacerdócio de Melquisedeque foi atribuído a uma única pessoa – Jesus Cristo. E, mesmo assim, não nos moldes do sacerdócio de Aarão, mas apenas como alegoria, conforme expôs o escritor de Hebreus (Hb 7).


Judeus, Jesus e o cristianismo na América

O mormonismo é bastante patriótico. Segundo sua crença, ocorreu uma “americanização” do plano de salvação em diversos sentidos. O Livro de Mórmon seria o equivalente a uma versão americana das Escrituras, por ter sido elaborados nos EUA. Seu conteúdo retrata a fictícia existência de uma comunidade judaica que viera para a América nos tempos do rei Ezequias. Após ter ressuscitado, Jesus teria vindo para a América e formado uma Igreja que subsistiu até o ano duzentos, aproximadamente.

Nada disso se harmoniza com as Escrituras ou com a realidade nestas afirmações.

Em primeiro lugar, embora se conheçam provas arqueológicas e históricas de muitas referências bíblicas, o mesmo não acontece com o Livro de Mórmon. Nunca a arqueologia respaldou, com descobertas, os fatos pseudo-históricos das lendas mórmons. Pelo contrário, a arqueologia pode demonstrar o absurdos do Livro de Mórmon. Seus esforços de passar a idéia de que sua “bíblia” é confiável têm sido tão entusiastas que a Smithsonian Institution, renomada instituição científica norte-americana, por ser ilegalmente citada pelas mórmons, achou necessário fazer um pronunciamento oficial afirmando que o Livro de Mórmon não tem nenhum valor arqueológico nem histórico.

Em segundo lugar, após a ressurreição, a Bíblia mostra que Jesus ficou quarenta dias com os discípulos, ensinando-lhes a respeito do reino de Deus (At 1.3) e, depois desse período, subiu aos céus e sentou-se à direita de Deus (Mc 16.19). Se fosse realizar sua missão em outras terras, com certeza Deus não deixaria tão importante fato em oculto.

Em terceiro lugar, Jesus estabeleceu a Igreja em Jerusalém, de onde seus discípulos deveriam partir até alcançar os confins da terra (At 1.8). A partir dali, era a missão deles levar o evangelho para o mundo todo (Mt 28.18-20; Mc 16.15).

Este “espírito americanizador” é tão forte que o reino futuro de Cristo sobre a terra se dará justamente na América. Vejamos o que os mórmons dizem em seu credo: “Cremos na coligação literal de Israel e na restauração das dez tribos: que Sião será reconstruída neste continente [o americano]; que reinará pessoalmente sobre a terra...”. Mas as Escrituras, em momento nenhum, tiram de Jerusalém o título de “cidade do grande Rei” (Mt 5.35). Pelo contrário, a colocam como centro dos planos escatológicos de Deus (Rm 11.26).

Os templos

O verdadeiro cristianismo não possui templos. Não no sentido como é considerado o templo de Jerusalém no judaísmo. Jesus deixou esta questão bem clara no diálogo que teve com a mulher samaritana: “Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (Jo 4.20-24).

O templo no cristianismo é a própria Igreja, isto é, os remidos, que se tornam habitação e templo do Espírito Santo (1Co 3.16). No cristianismo evangélico, os recintos chamados templos têm apenas a função de locais de culto e, por isso, são respeitados apenas pelo que representam.

No mormonismo, o templo é vital, porque as cerimônias têm poder salvífico e o local se torna, então, um meio de salvação. Para os mórmons, o templo, apesar de lembrar a religião judaica, nada tem a ver com essa religião. São centros de práticas totalmente alheias ao cristianismo.

Uma breve análise do primeiro artigo do credo mórmon

A primeira das treze regras de fé contida no credo mórmon reza: “Cremos em Deus, o Pai eterno, e em seu Filho, Jesus Cristo, e no Espírito Santo”.

Essa declaração soa completamente cristã, bíblica e ortodoxa. Num primeiro momento, não há distinção de qualquer outro credo cristão. Todavia, ao nos aprofundarmos em seus ensinos, vamos descobrindo conceitos estranhos por trás das palavras “Deus, o Pai Eterno”, “seu Filho, Jesus Cristo”, e “Espírito Santo”. Pelo fato de os mórmons se apegarem a fundamentos estranhos às Escrituras (aliás, as Escrituras funcionam apenas como isca), ocorre um desvio total de seus ensinos, como podemos verificar:

Deus é um homem de carne e osso

O “profeta” Joseph Smith disse: “Se o véu se rompesse hoje, e o grande Deus que mantém este mundo em sua órbita, e que sustenta todos os mundos e todas as coisas por seu poder, se fizesse visível - digo se vós pudésseis vislumbrá-lo hoje, vê-lo-íeis em forma de homem...”. “Deus é um homem glorificado e perfeito, um personagem de carne e ossos. Dentro de seu corpo tangível, existe um espírito eterno”.5

“Deus é Espírito”, disse Jesus (Jo 4.24). E sabemos o que Ele quis dizer com isso, pois ensinou que um espírito não tem carne nem ossos: “Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho” (Lc 24.39). As afirmações são opostas. O livro Doutrinas e convênios contradiz o que a Bíblia ensina, logo não pode estar certo. O Deus do mormonismo não é o Deus das Escrituras, logo não pode ser verdadeiro.

Jesus foi gerado por relação sexual entre Deus e Maria

“Quando a virgem Maria concebeu o menino Jesus, o Pai o havia gerado à sua semelhança. Ele não foi gerado pelo Espírito Santo [...] Jesus, nosso irmão mais velho, foi gerado na carne pelo mesmo indivíduo que se achava no jardim do Éden e que é o nosso Pai celestial”.6

Ensinar que Jesus, em sua encarnação no ventre de Maria, não foi gerado pelo Espírito Santo é querer destruir os fundamentos da fé cristã e operar um ataque direto ao texto bíblico. Lemos em Mateus 1.18,20: “Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente. E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo”.

Neste caso, temos uma contradição evidente entre as expressões “... não foi gerado pelo Espírito Santo”, ensinada pelo mormonismo, e “achou-se ter concebido pelo Espírito Santo”, segundo a Bíblia.

Ainda conforme a concepção mórmon, em um dado momento da eternidade o Pai resolveu criar o Filho e elevá-lo à categoria de Deus. Antes da criação deste mundo, Jesus teria apresentado ao Pai um plano de salvação. Seu outro “irmão”, Lúcifer, teria se rebelado porque seu plano fora rejeitado e o de Jesus, aceito. Uma narrativa que se assemelha bastante com a mitologia grega e pagã.

A controvertida pessoa do Espírito Santo

A IJCSUD nunca foi muito clara com respeito à pessoa do Espírito Santo. Joseph Smith chegou mesmo a afirmar que o Espírito Santo era apenas a mente do Pai e do Filho.7 No entanto, seu “terceiro deus”, como seria mais propriamente considerar o Espírito Santo dentro do mormonismo, ainda não recebeu um corpo mortal. A teologia mórmon não costuma abordar esta contradição. Mas não se deve dizer que o Espírito Santo não possui um corpo. Na verdade, Ele tem um corpo espiritual, com forma verdadeiramente humana, com cabeça, torso e lábios. Ele pode estar apenas num único lugar ao mesmo tempo.8

Como podemos ver, o Espírito Santo dos mórmons é um outro Espírito Santo, diferente do da Bíblia, assim como o evangelho e o Jesus deles também são outros (2Co 11.4).

Os trezes principais artigos do credo Mórmon possuem uma natureza ambígua e, por conta disso, qualquer pessoa (até mesmo o cristão) sem o devido conhecimento das Escrituras corre o risco de tropeçar. Não são os contrastes entre o mormonismo e o cristianismo que devem nos preocupar, mas, sim, suas aparentes semelhanças.

Em busca dos santos dos últimos dias

O objetivo da nossa apologética não é somente defender a verdadeira fé de desvios doutrinários, mas levar os incautos ao conhecimento da verdade. Os mórmons são cidadãos respeitáveis, bons pais de famílias e pessoas com padrão moral elevado, mas tornaram-se vítimas do pai da mentira. Como cristãos, temos a responsabilidade de indicar-lhes o verdadeiro caminho e não de criticá-los.

Querer desmascará-los, desacreditá-los ou mostrar superioridade intelectual é algo reprovável. Temos de ter a visão do apóstolo Paulo (Rm 10.1-4) que, apesar de reconhecer o engano em que viviam os judeus de sua época, não deixava de orar pela salvação deles. Isso porque não os reconhecia apenas como pessoas perversas, mas como pessoas que tinham zelo por Deus, sem, contudo, terem o conhecimento da verdade.

Para falar aos mórmons sobre o verdadeiro evangelho, precisamos ter um cuidado todo especial. Algumas atitudes a serem consideradas:

• Preparação

É necessário conhecer tanto o ensino bíblico quanto os ensinos mórmons. O ICP fornece excelente material para isso: a Bíblica Apologética, a Série Apologética, a revista Defesa da Fé, um curso de apologética, fitas e livros. Comece a estudar agora e, daqui a alguns meses, você estará apto para esta tarefa.

Existem, ainda, muitos sites de estudos apologéticos que podem ajudar nesta questão.

Sem o devido preparo, é arriscado e difícil tentar esclarecer algo aos mórmons.

• Estabelecer contato

Uma vez conhecendo as doutrinas dos mórmons e as doutrinas bíblicas, você não precisa sair à procura dos mórmons, eles se encarregam de ir à casa das pessoas apresentar seus estudos. Assim, basta você aceitar ou pedir uma visita, a fim de estabelecer contato. Se isso acontecer, dê-lhes uma boa receptividade, trate-os com amor.

• Sinceridade

Não os engane, dizendo que não conhece nada da Bíblia ou da doutrina deles. Admita que é um crente evangélico e que conhece suas publicações, mas que tem muitas dúvidas e gostaria de esclarecimentos. Eles vão abrir um sorriso e se prontificarão a visitá-lo e a ensinar suas doutrinas.

• Saber ouvir

É uma forma de ganhar sua confiança. Não queira replicá-los cada vez que disserem algo que você sabe estar em desacordo com a Bíblia. Quando eles se sentirem mais à vontade, então poderá falar. Questione antecipadamente se pode fazer perguntas caso surjam dúvidas durante o estudo. Mais à frente, poderá até mesmo contar seu testemunho de como se tornou cristão. Não use de atitude arrogante ou superior. Não deboche de suas crenças. Eles são sinceros em sua fé, mesmo que esteja errada. Eles não o ouvirão com respeito se não fizer o mesmo.

• Questione o máximo que puder

Com o passar do tempo, comece a questionar, mas de forma branda e delicada. O intuito é levá-los a raciocinar por si próprios, pois são treinados a aceitar tudo sem questionamento. Não ousam duvidar de nada que o mormonismo lhes ensina. Por isso, perguntas curtas e diretas são meios de libertá-los dessa prisão de consciência. É bem provável que mudem de assunto sutilmente quando não souberem responder. Neste caso, não provoque. Se houver oportunidade em outra ocasião, torne a questionar, sempre em tom de humildade e mansidão.

• Discorde sem contender

Se um mórmon, durante a conversa, lhe der alguma resposta absurda ou sem lógica, não precisa ficar rebatendo indefinidamente. Diga-lhe apenas que não se sente convencido, mas que tudo bem, quer continuar ouvindo. Isso fará que ele se sinta forçado a raciocinar ou a questionar suas afirmações posteriormente, sem, contudo, se sentir constrangido.

Compartimentos do Templo

Sala de Investidura

Nesta sala, tem-se uma visão geral do plano do Senhor para os seus filhos (mórmons). Aqui os mórmons recebem “instruções” acerca de quem são, de onde vieram, por que estão aqui e para onde vão. Nela, “os santos dos últimos dias” aprendem a respeito de sua vida pré-mortal, de sua vida mortal e das bênçãos que podem receber na próxima vida.

Sala de Selamento

A cerimônia realizada nesta sala é, sem dúvida, uma das mais aneladas pelas jovens mórmons. Neste local, a noiva e o noivo mórmon reúnem seus parentes e amigos para serem testemunhas da ordenação do matrimônio para a eternidade.

Sala do Mundo

Geralmente, suas paredes são cobertas por pinturas paisagísticas. As cenas são típicas do mundo sob a maldição de Deus. Reporta-se à expulsão do homem no jardim do Éden e seu enfrentamento diante das disputas, dificuldades, trabalho e suor. James Talmage sugere que esta sala bem poderia ser chamada de sala do mundo degradado.

Sala Terrestrial

Também conhecida como “sala de conferência superior”, combina riqueza e simplicidade. Geralmente, são ilustradas com cenas das terras bíblicas. Nesta sala são ministradas instruções a respeito dos endowents que enfatizam os deveres práticos de uma vida religiosa. Contém, ainda, cortinas de seda que se constituem no “véu do templo”.

Sala Celestial

Todos os objetivos dos convênios observados no templo culminam para esta sala. De acordo com o procedimento padrão da construção de templos mórmons, é costumeiro edificá-la no centro da estrutura. É a mais importante de todas as salas e trata-se de uma representação simbólica do paraíso. Para os mórmons, esta sala alude à vida familiar eterna com o “Pai celestial e Jesus Cristo”.

Outras salas

Sala do Jardim, sala das noivas, sala de selamento pelos mortos, sala dos Élderes, sala do conselho dos doze apóstolos, sala do conselho dos setenta, etc.

Estas descrições estão baseadas na obra de um dos doze apóstolos da IJSUD – James E. Talmage – intitulada A casa do Senhor. Os relatos referem-se ao grande templo de Salt Lake City, sede do mormonismo em Utah, EUA.

Notas:--------------------------------------------------------------------------------

1 Não há uniformidade no relato da primeira visão, que é a base da justificação mórmon para a fundação da sua igreja. Existem pelo menos três versões diferentes do suposto episódio. A oficial diz que lhe apareceram dois personagens, o Pai e o Filho, Jesus Cristo. Outra versão diz que Deus não veio, mas enviou um anjo. Ainda uma outra diz que Deus não veio pessoalmente, mas enviou o apóstolo Pedro.
2 Respostas às seitas, Geisler, Norman & Rhodes, Ron. CPAD, 2000.
3 Folheto sobre o templo.
4 Ensinamentos do profeta Joseph Smith, p. 336.
5 Doutrinas e convênios 120:22.
6 Revista de discursos, vol. I, p. 50-1.
7 Lectures on Faith, p. 48-9.
8 www.veritatis.com.br



RECOMENDAR >> IMPRIMIR >>
10 MAIS RECENTES
Unidade da Igreja de Cristo
Não quero mais ser evangélico
Signos. Porquê?
Mas que Homem é Esse?
Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal
A Integridade Moral do Profeta Eliseu
Contentamento & Transformação
O Brasil precisa de pastores de caráter limpo
PASTORES FIÉIS
Controle da natalidade no mundo ocidental ajudando no crescimento explosivo do islamismo
MAIS >>>

NOTÍCIAS CRISTÃS
Aprovação do PLC 122 será o último ato do governo Lula?
O escândalo homossexual de WikiLeaks
Assassinatos contra gays: dados manipulados
Professor francês é suspenso por mostrar vídeo de abortos para alunos do ensino colegial
Famosa feminista pró-aborto chama bebês em gestação de “tumores”
Desafiando comunistas no púlpito da igreja
Possessão demoníaca agora é politicamente correta
MAIS >>>

ESTUDOS BÍBLICOS
Unidade da Igreja de Cristo
Não quero mais ser evangélico
Signos. Porquê?
Mas que Homem é Esse?
A Integridade Moral do Profeta Eliseu
Contentamento & Transformação
O Brasil precisa de pastores de caráter limpo
PASTORES FIÉIS
Os modernos adoradores de Baal
Os Benefícios de Ter Filhos
MAIS >>>